Segunda-feira, 10 de Outubro de 2005

APRENDER, SEGUIR EM FRENTE

cavalg.JPG

1. As asneiras do governo (sobretudo as autistas) foram pagas. Também é para isso que serve a democracia. O eleitorado fez cumprir a regra. Nesse aspecto, nada a dizer. Pelo contrário.

2. O voto de protesto é circunstancial. Tem um poder especialmente corrosivo quando se vai a meio caminho entre receitas e resultados. Essa leitura, embora inquantificável, não pode deixar de ser feita.

3. O PS cumpre, deve cumprir, uma legislatura que ainda vai no início. E, neste aspecto, concordo com Vital Moreira quando ele diz: “O pior que poderia suceder era, para além de negar o inegável, interiorizar a ideia de que é preciso suspender ou interromper o caminho das reformas, só para recuperar a curto prazo o favor dos descontentes. Para além de um mais eficaz esclarecimento público das políticas adoptadas, o voto de protesto que explica uma parte dos resultados eleitorais só deve suscitar um reforço do ânimo para levar a cabo a obra de disciplina das finanças públicas, de reforma administrativa, de recuperação económica do Pais e de salvamento do Estado social.”. Ou seja, dito pela minha forma, Sócrates não deve comportar-se como se comportou Guterres.

4. Se o governo for capaz de imprimir uma dinâmica positiva, reformadora mas mobilizadora, com projecto e meta à vista, demonstrando que aprendeu “com” mas não desiste “por” estes resultados eleitorais, os exploradores de lamúrias do percurso pagarão as canas da festa antecipada lá mais para a frente. Tanto mais que os protestos sonantes vêm agora de camadas activadas por reflexos defensivos e indefensáveis de distinções corporativas que os colocam “acima” dos que mais precisam e menos têm. E, mais cedo ou mais tarde, a contradição (disfarçada em termos de luta) entre forças igualitaristas e o apoio e incentivo que agora prestam a qualquer protesto (mesmo os mais elitistas), acabará por estalar. Basta que a classe operária e restante proletariado se apercebam da traição de princípio, por via da actual deriva populista, praticada pelo partido que se arroga da sua defesa e representação.
publicado por João Tunes às 22:18
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. OS VOTOS E OS RATOS

. Bom fim-de-semana

. A Guidinha é que sabe...

. SABER CONTAR

. VIOLÊNCIA SOBRE AS CRIANÇ...

. UM CRIATIVO (ou a melhor...

. PROFESSOR EGAS MONIZ

. UM PARA UM

. REVISÃO

.arquivos

. Setembro 2007

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds