Terça-feira, 18 de Outubro de 2005

JORGE REIS (1926-2005)

2398875.jpg

Quase por acaso percebo que os fusíveis da vida deram mais um estoiro e romperam-me uma companhia que nunca usufruí no vivo de presença física. E no entanto, a sua voz e a sua pena marcam de forma impressiva a minha formação como homem social.

Por um lado, um velho livro - que livro! – que descarnava magistralmente as teias das cumplicidades sacanas dos “situacionistas bem instalados” na modorra do sabor do poder eterno numa qualquer cidade de província do Portugal assalazarado. A escrita era (e é) de primeira água (leiam-no agora e digam se agora se escreve melhor), o título era um panfleto (“Matai-vos uns aos outros”) e o livro, logo proibido e apreendido, era comprado por baixo do balcão naqueles livreiros que se governavam à pala das proibições da Censura.

Depois, ainda a televisão não irrompera ou ainda era coisa de poucos e com os noticiários feitos propaganda do fascismo, era uso que a fita de cinema fosse antecedida de desenhos animados e de uma coisa que nos ligava às notícias do mundo, chamada “Actualidades Francesas”. A locução era feita por uma voz em bom português mas com sotaque especial (explicíto mas afrancesado) e uma ênfase de narração envolvente que pontualializava os altos das notícias de uma mundivivência que nos parecia vir de muito longe do nosso ruralismo pacóvio e presbítero. A voz era a do romancista de curta obra.

Fugido da PIDE em 1949, este ribatejano de muitas e duras cepas, homem das grandes greves de 1944, ficou-se por França e marcou a nossa diáspora que ali caiu fugida á fome ou à guerra colonial. Julgo que tão agarrado ficou ao exílio, aos exilados e emigrantes, lá construindo família, que nem o 25 de Abril lhe conseguiu impor regresso à sua lezíria ribatejana onde lhe cresceram as raízes da razão, da luta e da sensibilidade.

Com atraso - ele morreu no passado 1 de Outubro - soube da sua tão silenciosa e silenciada perda aqui. Onde também fiquei a saber que esse homem que foi meu Mestre “à distância” se chamava Atilano Jorge dos Reis Ambrósio. E onde leio essa singela e estética nota necrológica:

“Hélène, a sua esposa, Annie e Jean-Claude, os seus filhos, Alexandra e Olivier, os seus netos, têm a profunda tristeza de anunciar a morte de Jorge Reis, escritor, jornalista, cronista, Comendador da Ordem do Infante D. Henrique, que faleceu em Paris, no dia 1 de Outubro de 2005. A cerimónia fúnebre decorreu no Cemitério Père-Lachaise de Paris, no dia 8 de Outubro. Que a memória de Jorge Reis continue presente no espírito dos que o conheceram.”

Se continua presente! O seu livro é de estimação perene. A sua voz chegou-me outra vez, e do ouvido já não sai, como se fosse ele mesmo a ler, no “Actualidades Francesas”, a notícia do seu último exílio sem regresso. E eu a sentir-me sentado numa sala escura de cinema a ligar-me ao mundo, ouvindo-o, antes que a película do filme esperado comece a rodar nos carretos da maquineta que tem fama de fabricar ilusões.
publicado por João Tunes às 15:30
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. OS VOTOS E OS RATOS

. Bom fim-de-semana

. A Guidinha é que sabe...

. SABER CONTAR

. VIOLÊNCIA SOBRE AS CRIANÇ...

. UM CRIATIVO (ou a melhor...

. PROFESSOR EGAS MONIZ

. UM PARA UM

. REVISÃO

.arquivos

. Setembro 2007

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds