Quarta-feira, 26 de Outubro de 2005

O regresso a Toko e Likola?

goe1.jpg

Numa sequência de quatros posts, sob o título “De homem para homem”, o Manuel Correia, a pretexto do filme (em exibição) “Man to Man” de Régis Wargnier e da odisseia dos dois pigmeus, Toko e Likola, que em 1870 serviram para estudo da “evolução das espécies”, aborda a nova moda (socrática, mas não só) de considerar a “defesa dos direitos adquiridos” como coisa de conservadores passadistas ou mesmo de reaccionários (no sentido genuíno de combatentes contra o progresso). E resume a sua preocupação-alerta (que era onde ele queria chegar):

“Sem direitos, fica-se à mercê de qualquer despotismo. Gigantes ou pigmeus, brancos, amarelos, negros ou vermelhos, perdemos, com os direitos, a razão fundamental pela qual aprendemos a respeitar-nos uns aos outros. Passado o limite, não há civilização que valha!”

Aconselho que se leiam os posts do Manuel Correia. Porque esta coisa dos slogans (sabe-se isso do marketing mais inspirado), num meio em que o debate de ideias se vai desertificando, tendem a pegar como ferrete em anca de animal da lezíria. Um iluminado sobre contas públicas, por exemplo, lança uma máxima, os pragmatistas acenam com a cabeça e propagam-na como uma fatalidade dos tempos modernos, arrumam-se os renitentes com novo ferrete (o do passadismo conservador) e quando damos por ela já só somos animais com préstimos reduzidos às entradas para as voltas de cortesia e recolhemos aos curros durante as artes maiores e sem direito, pelo menos, a demonstrarmos valia através de uma nobre faena.

Direi até, e se o Manuel Correia permite a redundância relativamente ao quase tudo que disse, que, por este andar, na espiral reducionista e relativista dos patamares subidos a pé sofrido (não falo em mordomias e em privilégios, assunto outro), qualquer dia, os próprios ”direitos humanos” são revogáveis em nome da modernidade liberalóide (ou seja, a leitura analfabeta e oportunista do liberalismo). E já não termos exóticos da fibra da Rosa Parks, apenas sendo clonos de Toko e Likola.
publicado por João Tunes às 12:07
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Joo a 26 de Outubro de 2005 às 23:18
Que exageros saem da boca dos amigos. Direi que gosto de vos ler, os do PUXA, em voz alta. Abraço, caro Manuel.


De Manuel Correia a 26 de Outubro de 2005 às 19:27
João Tunes, obrigado pela referência. Com o teu gesto interpretativo, potenciaste duplamente a leitura dos posts (De homem para homem, (1), (2), (3) e (4). Primeiro, porque ao reparares neles e fazeres-lhes referência, pões os teus leitores (entre os quais honrosamente os do PUXA-PALAVRA se incluem) a dar, tb, uma olhadela; depois, porque a tua escrita, e o pensamento ágil que nela passa, reforçam sempre o sentido, tornando mais próximo o entendimento do que lá vai. Assim ao jeito de «O Falador» do Vargas Llosa, unindo as tribos separadas.
Um abraço


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. OS VOTOS E OS RATOS

. Bom fim-de-semana

. A Guidinha é que sabe...

. SABER CONTAR

. VIOLÊNCIA SOBRE AS CRIANÇ...

. UM CRIATIVO (ou a melhor...

. PROFESSOR EGAS MONIZ

. UM PARA UM

. REVISÃO

.arquivos

. Setembro 2007

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds