Quarta-feira, 14 de Dezembro de 2005

MENOS UM BRAVO NO PELOTÃO

clavel[1].jpg

Faleceu António Simões de Abreu. Tinha 82 anos, era engenheiro electrotécnico e professor do ensino superior (reformado) e tinha recebido, há dias, atribuída pela Presidência da República, a Ordem da Liberdade.

Este militante contra o fascismo e pelo comunismo (aderiu ao PCP em 1942), foi uma das figuras centrais e históricas nas lutas da Oposição Democrática contra o salazarismo no após segunda guerra mundial. Em 1947 e 1948, integrou a Comissão Central do MUD-Juvenil (juntamente com Areosa Feio, Júlio Pomar, Mário Soares, Octávio Pato, Óscar dos Reis, Rui Grácio e Salgado Zenha). Em 1951, integrando o MUNAF, foi activista na tentativa de candidatura presidencial de Ruy Luís Gomes. Nos anos 1957-1958, foi figura chave nas movimentações políticas pela candidatura (gorada) de Cunha Leal, depois no apoio a Arlindo Vicente (que acabaria por desistir a favor de Humberto Delgado) e, finalmente, na campanha do General Sem Medo (*).

António Abreu conheceu, por várias vezes, o martírio das prisões políticas do Estado Novo. Foi proibido, por Salazar, de ensinar em escolas públicas e na universidade (foi reintegrado apenas com o advento do "marcelismo", com Veiga Simão como Ministro da Educação), sendo forçado a criar os seus três filhos, no período de interdição de exercer o professorado, através dos magros proventos obtidos como “explicador” no seu domicílio. Além de militante activíssimo na luta contra o fascismo, foi um excelente matemático (**) e era ainda um talentoso retratista (***). Deixou vários escritos publicados e dispersos sobre as suas memórias de lutador.

Menos um bravo no pelotão. Deixo-lhe, aqui, um cravo rubro, como singela homenagem do muito que a liberdade, que respiramos, lhe deve. A luta continua.

(*) – A importância de António Abreu nas movimentações oposicionistas, no imediato após-guerra, está muito bem documentada no livro de José Pacheco Pereira – “Álvaro Cunhal – Uma biografia política” (3º volume – o prisioneiro), Ed. Temas & Debates.

(**) - Publicou “Números e Variáveis Complexas, lições de Métodos Numéricos e Matemática Aplicada à Electrotecnia”.

(***) – Pela sua mestria como retratista, António Abreu, quando lhe era consentido, ocupava os seus tempos de prisão política a desenhar, a carvão e a lápis, os retratos dos seus companheiros de presídio, os quais lhos oferecia e que, para estes, era uma das peças valiosas que traziam no seu escasso espólio, na hora da saída das masmorras salazaristas.
publicado por João Tunes às 16:09
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De IO a 14 de Dezembro de 2005 às 16:24
Deixo o meu cravo, também - IO.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. OS VOTOS E OS RATOS

. Bom fim-de-semana

. A Guidinha é que sabe...

. SABER CONTAR

. VIOLÊNCIA SOBRE AS CRIANÇ...

. UM CRIATIVO (ou a melhor...

. PROFESSOR EGAS MONIZ

. UM PARA UM

. REVISÃO

.arquivos

. Setembro 2007

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds